sexta-feira

Seiscentos e sessenta e seis

A vida é uns deveres que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são 6 horas: há tempo...
Quando se vê, já é 6ªfeira...
Quando se vê, passaram 60 anos...
Agora, é tarde demais para ser reprovado...
E se me dessem - um dia - uma outra oportunidade,
eu nem olhava o relógio.
seguia sempre, sempre em frente ...
E iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas.

Mário Quintana ( In: Esconderijos do tempo. Porto Alegre: L&PM, 1980.)

2 comentários:

Fannynha disse...

Agora sim o poema certo!!
Parabéns Young pelo blog, pois está a altura de um grande poeta, Mário Quintana,ele merece.
E essa é pra você Nill,"A amizade é um amor que numca morre".

Nina disse...

Eu AAAAAAAAAAMOOOOOOOOOO esse poema! E, coicindência das coincidências, estava pensando nele ontem, em uma aula que falávamos dos diversos significados do tempo...

=)